Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a brindar sem água

"Vinho não é bebida alcoólica! É paisagem, história, etnografia, inspirador e coligado no evoluir do Homem. Tudo isso falado no copo!" - Eu

a brindar sem água

"Vinho não é bebida alcoólica! É paisagem, história, etnografia, inspirador e coligado no evoluir do Homem. Tudo isso falado no copo!" - Eu

NOVEMBRO 2019 - NOVIDADES

30.11.19 | manuel

Casal de Ventozela lança primeiro espumante

Feito 100% da casta Avesso, a primeira edição do Casal de Ventozela Extra Bruto chega às prateleiras a tempo de brindar à época festiva que se aproxima.

O projeto saiu finalmente da adega: Casal de Ventozela, produtor familiar localizado na pequena freguesia de Mogege, em Vila Nova de Famalicão, na sub-região do Vale do Ave, acaba de apresentar o seu primeiro espumante, elaborado totalmente a partir da emergente e desafiante casta Avesso. O Casal de Ventozela Extra Bruto 2015 foi desenhado com o objetivo de criar um espumante com uma enorme capacidade de evolução e envelhecimento em garrafa, recordando o potencial esquecido da região. Elaborado pelo Método Tradicional, primeira fermentação foi feita em cubas de inox a baixa temperatura, durante 12 meses, sendo depois o vinho engarrafado em outubro de 2016. Em maio do ano seguinte, e após 20 meses de espumantização, procedeu-se ao Degorgement, estagiando por mais 12 meses em garrafa até poder ser consumido.

E porque os olhos também bebem, para esta estreia, foi escolhida uma elegante garrafa em formato Borgonha, que ostenta um sofisticado e minimalista rótulo preto texturado. Já se encontra disponível em garrafeiras selecionadas de todo o país, com distribuição exclusiva da OnWine Nacional. PVP indicado pelo produtor 14,90€

Espumante Casal de Ventozela 2015_rótulo.jpg

 

 

AGUARDENTE ADEGA VELHA, AGORA COM DUPLO ESTÁGIO

A mestria de várias gerações reúne o melhor do saber e da tradição no lançamento de um produto com um perfil diferenciador: a Aguardente Adega Velha Duplo Estágio.

Com uma história única, a aguardente Adega Velha, uma das mais antigas aguardentes vínicas de vinho verde, reconhecida pela tradição e experiência na produção de aguardentes de elevada qualidade, lança agora uma nova gama na marca – a Adega Velha Duplo Estágio. A aguardente Adega Velha Duplo Estágio vem contribuir para reforçar a imagem de qualidade da Adega Velha, aumentar a sua notoriedade e relevância junto do consumidor, dinamizando a vertente de inovação numa marca que, em 2015, apresentou uma nova gama com lançamento de três aguardentes únicas: 6 Anos Reserva, 12 Anos XO e 30 Anos.

Aveleda 2-467.jpg

Após um longo repouso de 12 anos em cascos de carvalho da região de Limousin, a aguardente Adega Velha Duplo Estágio faz um estágio final de um ano em cascos Vale D. Maria, marca de referência na categoria do Vinho do Porto. O resultado é uma aguardente distinta que, preservando a sua suavidade e aroma originais, desenvolve um carácter único.

PVP Recomendado: Adega Velha Duplo Estágio – 49,99€

 

Três Bagos Grande Escolha tinto 2015, nova colheita do topo de gama da Lavradores de Feitoria

 

O produtor de vinhos do Douro Lavradores de Feitoria apresenta a nova colheita do seu topo de gama, um vinho produzido apenas em anos excepcionais. Falamos do ‘Três Bagos Grande Escolha tinto 2015’ (€35,00),

feito a partir da mistura de castas autóctones rigorosamente seleccionadas e provenientes de Vinhas Velhas – neste caso, com mais de 60 anos –, este vinho remete para a valiosa tradição da feitoria dos vinhos de lote.

Após a vindima e a escolha criteriosas das uvas, é dado lugar à fermentação em lagar tradicional e em balseiros de carvalho com maceração prolongada. Por sua vez, o estágio é feito, durante 14 meses, nas melhores barricas novas de carvalho francês e mais equilibradas, para que resulte num lote sublime e com capacidade de maturação. 

20181018_GONCALO VILLAVERDE_0478.jpg

Créditos: Gonçalo Villaverde

De lembrar que a marca ‘Três Bagos’ representa a essência da Lavradores de Feitoria, na medida em que se tornou na marca agregadora de vários pequenos produtores, proprietários de quintas espalhadas pelas três sub-regiões do Douro – Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior. Por outras palavras, reflecte a união dos quinze ‘lavradores de feitoria’, designação que, em 2000, deu corpo a esta empresa que, deste modo, respeita fortemente a tradição dos vinhos de lote, um património único do Douro que quer ver preservado. 

 

Nova colheita do DOC DOURO Kopke Vinhas Velhas 2015.

image001.jpg

O Kopke Vinhas Velhas 2015 é um vinho elaborado a partir do património de vinhas velhas, com mais de 80 anos, da Quinta de S. Luiz (Cima Corgo). Em edição exclusiva e numerada de 2.362 garrafas. Apenas elaborado em anos em que as vinhas velhas relevam qualidade excecional, este Kopke Vinhas Velhas 2014 (PVP: 48,00€) sucede à edição de 2014.

 

Quanta Terra Golden Edition: a era Douro dos brancos portugueses

 

A segunda edição de um vinho que nasceu de um (feliz) acaso confirma a aposta de sucesso do produtor Quanta Terra no lançamento de vinhos brancos de idade.

V05221.jpg

Em 2011, Celso Pereira e Jorge Alves, os enólogos responsáveis pelo projeto Quanta Terra, resistiram à corrente que marcava a região do Douro e decidiram começar a reservar, todos os anos, nas suas melhores barricas, cerca de mil litros do vinho destinado à produção dos brancos da casa. Seis anos mais tarde, numa prova ocasional, redescobriram estes lotes e ficaram surpreendidos pela sua elevada qualidade, resultado de uma excelente evolução no tempo.

Depois do sucesso do primeiro lançamento no ano passado, colheita de 2011, chega agora ao mercado a edição especial Quanta Terra Golden Edition Branco 2012. Elaborado a partir de um blend das castas Gouveio (50%) e Dorinto, Donzelinho e Boal (50%), oriundas de vinhas plantadas no Planalto de Alijó, a cerca de 650 metros de altitude, em solos de transição entre xisto e granito, o grande segredo deste vinho está no paciente estágio a que foi submetido. Durante 6 anos, repousou em barricas usadas de carvalho francês, com capacidade para 228 litros. 

Quanta Terra Golden Edition Branco 2012 fica ainda marcado pela produção minúscula, que se traduz em apenas 2380 garrafas de 0,75L e 60 garrafas em formato Magnum disponibilizadas ao mercado com distribuição exclusiva da OnWine Nacional.  PVP: 60,00€

 

Gloria Reynolds 2009: arte e tradição, uma década depois

A nova colheita de um dos vinhos mais exclusivos do Alto Alentejo, o Gloria Reynolds Art & Tradition, da emblemática adega alentejana Reynolds Wine Growers, é apresentada 10 anos depois da vindima. No ano de 2009 foram apenas produzidas 5.000 garrafas, todas numeradas.

reynolds-alta.png

A história da família Reynolds em muito se relaciona com a própria história do Alentejo. Em 1850 instalam-se definitivamente na região, primeiro como pioneiros da indústria da cortiça, mas sempre atraídos pelo seu potencial para a produção de vinho de elevada qualidade. Robert Reynolds, patriarca da família, foi o impulsionador do negócio, passando, anos depois, a sua paixão pela terra e pelo vinho ao seu filho Robert Rafael e neto Carlos.

Já no novo século, em 1911, Carlos Reynolds tem uma primeira filha, Gloria Reynolds, mãe do atual viticultor do projeto – Julian Reynolds. Inspirado pela história do seu avô, bisavô e trisavô, que marcaram não apenas a história da produção de vinhos no Alentejo, mas também dos vinhos em Portugal, Julian decide recuperar o rótulo Reynolds, perdido nos anos 70, em honra da sua mãe e de todos os seus antepassados que viveram na região.

Nascia assim o homónimo Gloria Reynolds, um vinho que tem como missão traduzir a paixão da família Reynolds pelas terras do Alentejo, pela casta Alicante Bouschet (introduzida pela primeira vez em Portugal por Robert Rafael Reynolds e seu irmão John) e o terroir especial da herdade da Figueira de Cima, influenciado pelo micro-clima da Serra de São Mamede.

Produzido pela primeira vez em 2002, colheita à qual sucederam as de 2004, 2005, 2007 e 2009, esta última apresentada agora ao mercado, o Gloria Reynolds é elaborado a partir de um blend das castas Alicante Bouschet (50%) e Trincadeira (50%), num conjunto marcado pelos taninos firmes, frescura exuberante e enorme potencial de envelhecimento. A prová-lo está o estágio mínimo de 5 anos em garrafa antes de chegar ao mercado.

A par do perfil único e distinto, o lançamento do Gloria Reynolds 2009, uma década depois da sua produção, fica também marcado pelos expressivos 95 pontos atribuídos pelo crítico Mark Squires (Robert Parker), que, entre muitos elogios, destacou a sua “surpreendente frescura”. A distribuição no mercado nacional é exclusiva da Heritage Wines. Para mais informações, consultar: www.reynoldswinegrowers.com e www.heritagewines.pt.

PVP: 49,00€

 

Novidades Costa Boal

Os cinco vinhos Costa Boal que agora chegam ao mercado refletem a aposta deste produtor de Trás-os-Montes e Douro em vinhos topo de gama.

CB_Porto.png

 

Comecemos pelo legado e história, o Costa Boal Very Old Port. Tesouro guardado durante sucessivas gerações na adega da família, na aldeia de Cabêda, Alijó, este Tawny muito velho não tem registo escrito do seu percurso, mas é provável que possa incluir partes de lotes de Vinhos de Feitoria, os melhores do vinho fino do Douro como é, ainda hoje, conhecido o Vinho do Porto guardado pelos viticultores locais nas suas adegas no Douro. Sabe-se, no entanto, que este Porto agora engarrafado é quase centenário.

Mantendo o foco no Douro e no Costa Boal Homenagem 2011, tinto Reserva de ano mítico, 2011, rótulo em memória ao pai Augusto Boal, viticultor e pequeno produtor no Douro,  que tem a particularidade de ser originário de uvas colhidas em vinha da aldeia de Cabêda, Alijó. União harmoniosa e única, portanto, entre concentração (do ano) e frescura (do lugar com altitude e afloramentos graníticos), apurada pelo refrescamento (15%) com dois vinhos varietais de 2017, Tinto Cão e Sousão, dos quais, aliás, se falará no futuro próximo.

Para completar a homenagem, António Costa Boal vai doar 10 por cento da receita deste vinho ao Centro Social de Vilar de Maçada, num gesto de solidariedade que vem de encontro à tradição familiar de contribuir socialmente para o bem-estar na terra natal.

Outra edição especial e topo de gama Costa Boal, o Palácio dos Távoras Gold Edition 2016, é um blend feito na vinha, seleção de uma parcela específica da vinha velha em Chelas, Mirandela, Trás-os-Montes. Como é habitual nas vinhas antigas da região, a diversidade de castas plantadas não é distribuída uniformemente, resultando parcelas com perfil diferente umas das outras. É o assumir de uma dessas manchas – no caso, com predominância de Alicante Bouschet, Baga e Touriga Nacional.

Igualmente da Quinta dos Távoras, o novo Bastardo 2018 da Costa Boal, casta com tradição nas vinhas da região, o Flor do Côa Reserva branco 2018 era a referência em falta no portefólio Costa Boal, fazendo par com o Flor do Côa tinto Reserva. Este novo branco Costa Boal é feito a partir de uvas colhidas na Quinta da Pia, Murça, teve fermentação espontânea e um mínimo de intervenção em adega, numa atitude ousada e na linha do espírito do projeto Costa Boal. Todos os vinhos têm a assinatura do conceituado enólogo Paulo Nunes.

Flor do Côa Reserva branco 2018 - PVP: 16 euros

Produção de 2000 garrafas.

Palácio dos Távoras Bastardo tinto 2018 - PVP: 18 euros

Produção de 1700 garrafas.

Palácio dos Távoras Gold Edition 2016 - PVP: 90 euros

Produção de 1145 garrafas 0,75 l e 115 magnuns.

Costa Boal Homenagem 2011 - PVP: 100 euros

Produzidas 3000 garrafas.

Costa Boal Very Old Port - PVP: 1240 euros

Produzidas 200 garrafas.

 

 

Ribafreixo Wines, nova edição do topo de gama Herdade do Moinho Branco Alicante Bouschet 

Depois do sucesso ditado pela primeira colheita (2014) do Herdade do Moinho Branco Alicante Bouschet, é altura de o produtor da Vidigueira brindar-nos com a nova colheita de 2015, que promete surpreender neste Natal e fazer as delícias dos amantes de vinho.

HMB2015 Zoom.jpg

Herdade do Moinho Branco Alicante Bouschet 2015 é uma edição limitada de 3804 garrafas e é um reforço da forte aposta nesta casta tinta tão especial no Alentejo. A qualidade ímpar e o carácter excecional que a colheita de 2014 proporcionou foi o mote perfeito para a Ribafreixo lançar, em Outubro de 2018, o seu primeiro monovarietal tinto. A qualidade nesta nova colheita de 2015 supera agora as expectativas do produtor, revelando um vinho poderoso e sedutor, fermentado em barrica, com 18 meses de estágio em barricas de carvalho Francês, seguindo-lhe um estágio de garrafa num total de 26 meses.

Esta referência está disponível em caixas de 3 garrafas, faz parte do Catálogo de Natal da Ribafreixo e pode ser adquirida nas duas lojas do produtor em Loulé e na Vidigueira, assim como de norte a sul do país através dos clientes locais.

PVP garrafa 750ml: 36,75€

 

Syrah da Discórdia, uma história de vinha de Mértola

 

O novo Syrah da Discórdia reafirma o espírito descontraído e irreverente do projeto de vinhos da Herdade Vale d´Évora e estreia uma nova gama da casa, com vinhos monovarietais diferentes todos os anos. Sempre presente o ADN do Baixo Alentejo, quente e seco, também os novos blends Reserva Discórdia revelam uma história de vinha com muita personalidade.

0l4yhjgg (1).jpeg

Créditos: Ricardo Palma Veiga

Têm o ADN do Baixo Alentejo, quente e seco, mas igualmente a especificidade da vinha de onde se colhem as uvas de que são feitos, na Herdade Vale d’Évora. O novo Syrah da Discórdia é disso exemplo. A casta internacional, bem-comportada e estável, está plantada em dois hectares da vinha e mostrou-se, em 2017, muito equilibrada, revelando ser um bom momento para alargar o portefólio dos vinhos Discórdia.

É uma gama de monovarietais que se inicia e que pretende ser diferente todos os anos, dependendo do comportamento das diferentes castas no ano agrícola em causa.

“Acreditamos e gostamos muito dos blends de Mértola, mas também gostamos da surpresa que as castas em extreme podem criar e por isso decidimos escolher, em cada ano, a varietal mais prometedora para integrar a gama”, explica o enólogo da Herdade Vale d’Évora, Filipe Sevinate Pinto.  

Ao Syrah, junta-se o primeiro Discórdia Reserva branco 2018, um ano “espetacular” para os brancos da herdade, dispara Filipe Sevinate, e dos “melhores de sempre em Mértola”. Branco de lote com predominância da casta Arinto, este é um vinho “muito completo, fresco, cheio e estruturado” e que “tem mais coisas a acontecer para além da fruta direta”, especifica o enólogo. “Não podíamos ter melhor ano para o lançamento do Reserva branco da marca”, conclui.

A maturidade da vinha, plantada em 2009, começa a revelar-se igualmente noutro vinho de continuidade do portefólio, o Reserva tinto Discórdia, um lote que integras as castas Touriga Nacional, Alicante Bouschet, Touriga Franca e Syrah.

Colheita equilibrada e com grau alcoólico (14,5%vol) um pouco abaixo da edição anterior, o Reserva tinto 2017 mantém, no entanto, a nota de secura, muito característica do terroir de Mértola.

Discórdia Reserva branco 2018 - PVP: 17 euros

Produzidas 1500 garrafas.

Discórdia Reserva tinto 2017 - PVP: 17 euros

Produzidas 3500 garrafas.

Syrah da Discórdia 2017 - PVP: 13,5 euros

Produzidas 1000 garrafas.

NOVEMBRO 2019

30.11.19 | manuel

Condé Nast coloca a região dos Vinhos do Alentejo no Top 6 dos destinos vinícolas para 2020

 

A Condé Nast Traveler, reputada revista norte americana de viagens e lifestyle, classifica a região vinícola do Alentejo como um dos seis destinos a não perder no próximo ano. Cinco dos maiores especialistas em vinho nos Estados Unidos foram questionados sobre onde planeavam estar na sua passagem de ano e o Alentejo foi um dos destinos eleitos. O resultado são seis regiões do mundo com muito para explorar, tanto ao nível do enoturismo, como de toda a sua envolvente.

Laura Ginnatempo, autora do artigo, visitou o Alentejo em 2017 e descreve a região como próxima de Lisboa e do Algarve, cuja principal atração é o enoturismo. A especialista destaca a oferta heterogénea de excelentes vinhos, brancos e tintos, produzida com uvas autóctones tais como a touriga nacional, a aragonez e a alicante bouschet.

Michele Gargiulo, sommelier na Jean Georges do Hotel Four Seasons Filadélfia, também referido neste artigo, define locais como a Herdade do Freixo como exemplo das melhores e mais modernizadas adegas da Europa, refere ainda que os vinhos da Herdade do Arrepiado Velho estão entre os seus favoritos, colocando assim o Alentejo no top do ranking mundial. Quanto ao vinho, a sua preferência é a touriga nacional que classifica como um produto de uma complexidade, mineralidade e estrutura deslumbrantes.

A par com a Lombardia e a Sicília em Itália, Western Cape na África do Sul, o Vale Willamette no estado de Oregon (EUA) e a Península do Niágara no Canadá, o Alentejo português foi assim eleito como destino a não perder para os amantes de um vinho de ótima qualidade.

Para Francisco Mateus, Presidente da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana, “É um orgulho este reconhecimento de um meio tão reputado, que confirma que o Alentejo continua a encantar e a marcar quem por cá passa. Esta é mais uma importante menção para o turismo do nosso Alentejo e uma prova que estamos a fazer um excelente trabalho”.

Se já está a planear as férias de 2020, o Alentejo vai ser, sem dúvida, um destino a não perder. 

rota-dos-vinhos-do-alentejo_4328298496_o.jpg

Crédito: https://www.vinhosdoalentejo.pt/pt/media/banco-de-imagens/

 

 

Farta Brutos lança livro de homenagem a Francisco Oliveira 

Palco de figuras incontornáveis da sociedade e cultura, nacionais e internacionais, restaurante icónico de Lisboa lança resumo das histórias gravadas nas paredes

Quem entra no Farta Brutos, na Travessa da Espera, no Bairro Alto, sabe, de imediato, que entrou num espaço especial, recheado de história, e estórias. As paredes, forradas com fotografias que ilustram a passagem, por ali, das mais ilustres figuras nacionais e internacionais, expõem ainda livros e a garrafeira do espaço. Ao canto, vê-se uma mesa com imagem do escritor José Saramago. Quem por aqui passou e o que por aqui se viveu, surge agora em livro, num relato exclusivo e em discurso direto do fundador Francisco Oliveira, editado pelo filho, agora dono do estabelecimento, e por um amigo, um ano após a sua morte.

Francisco Oliveira, o famoso “Oliveira”, dono do Farta Brutos, e anterior empregado do Tavares Rico, deixou ao filho, Rogério Oliveira, e ao amigo, Ivan Dias, uma entrevista feita em vida onde, pela primeira vez, revelou as inúmeras histórias que fizeram do Farta Brutos um dos mais icónicos restaurantes lisboetas do último século.

Farta Brutos Capa.jpg

Livro à venda em exclusivo no Farta Brutos. PVP – 25euros

 

Vogue Café Porto: o chá está servido 

 

A tradição inglesa impõe que seja servido às 5 da tarde, mas no Vogue Café o menu de lanche está disponível entre as 16h00 e as 18h30 para um final de tarde reconfortante, depois do bulício das compras de Natal.

Vogue Café Porto - Afternoon Tea.jpg

 

 O Vogue Café Porto tem uma novidade que promete aquecer as tardes de outono. O novo menu de chá, servido entre as 16h00 e as 18h30, é o pretexto perfeito para uma pausa depois das compras de Natal.

Localizado no epicentro da baixa portuense, o espaço mais trendy da cidade preparou um menu perfeito para partilhar. Entre os sabores de conforto então duas opções de sanduíches, uma de salmão e crème fraîche e outra de presunto bísaro, tomate e maionese de azeite, os tradicionais scones, servidos com manteiga e compota caseira e uma seleção de pastelaria fina. Para acompanhar, há uma variedade de bebidas quentes, entre café, cappuccino, latte e chás biológicos do Douro, que se complementam com sumo natural de laranja e um flute de espumante, para brindar ao momento.

O menu tem o valor de 20€, sendo que acresce para os 24€, com a opção do flute de espumante.

Aproveitar os tempos mais frios para desfrutar dos reconfortantes sabores do Vogue Café Porto, entre família e amigos. Reservas através de telefone 22 339 8550 ou e-mail reservations@voguecafe.pt.

 

Wines By Heart promove Festival das Trufas brancas frescas

Chef Rodrigo Osório cria menu enogastronómico com a trufa branca

image008.jpg

 

A nova garrafeira Wines By Heart, localizada no coração de Lisboa, abre a época da Trufa Branca e apresenta um menu especial que deixa a Tuber magnatum pico brilhar até ao final de novembro. Criados pelo chef Rodrigo Osório, os vários pratos, da entrada à sobremesa, têm como protagonista a trufa branca, em plena harmonia com a melhor seleção de vinhos do sommelier Guilherme Corrêa, não fosse esta uma garrafeira que apresenta a essência do vinho na sua magnífica diversidade de terroirs.

Novembro é época da trufa branca, o fungo raro e perfumadíssimo que nasce no subsolo dos bosques italianos no outono e que chega agora à enogastronomia da Wines By Heart. Deste Festival de Trunfas Brancas Frescas destaca as especialidades Carne Gruda com Avelã (26€), Risotto Bianco (27€), Tagliolini (27€) e Blanquette de Vitela com Puré de Couve Flor (29€).

Para terminar, é ainda possível desfrutar de um Cheesecake de amora com trufa (14€), porque este é um ingrediente tão versátil como raro, o que o faz estar presente até ao fim da refeição, mesmo em sobremesas.

Pratos que prometem surpreender, uma vez que apresentam várias formas de apreciar o sabor intenso e, em simultâneo, delicado da trufa branca que se anuncia pelo olfacto. Durante este festival, todas as iguarias do novo menu podem ser finalizadas com trufa branca fresca laminada ao momento (4,90€ / grama).

trufa.jpg

Fonte: https://www.facebook.com/winesbyheart/

Este menu proporciona assim uma experiência inesquecível com sugestões de pratos que se revelam uma oportunidade única para apreciar uma das mais fascinantes iguarias do planeta, sem nunca esquecer que estas receitas são preparadas segundo uma filosofia de cozinha de wine bar, de forma a valorizar o protagonista da casa.

A Wines By Heart é o recente projeto dos amigos e sócios Guilherme Corrêa, Henrique Mignoni, Igor Beron e Rômulo Mignoni, unidos por uma profunda paixão pelo vinho. Esta garrafeira premium propõe uma verdadeira wine experience e reúne, num espaço onde se pode adquirir, provar e harmonizar os melhores vinhos com uma gastronomia de excelência, diversos produtores portugueses e internacionais.

Informações gerais:

Morada
Rua Rosa Araújo, no 35 – 1250-194 Lisboa

Contactos
Telefones: +351 213 540 772 / +351 967 764 376
www.winesbyheart.com

 

TORRES E SOGRAPE ANUNCIAM PARCERIA EM PORTUGAL

Sogrape Distribuição será a representante oficial dos vinhos espanhóis em Portugal

sogrape_distribuicao_portugal.jpg

Desde sempre unidas pelos valores familiares e pela sua forma de estar no vinho, a Sogrape e a Família Torres anunciam agora uma parceria em Portugal. A partir do final de novembro, a Sogrape Distribuição acolhe no seu portefólio os vinhos da prestigiada marca espanhola, que decidiu alterar a sua estratégia de distribuição neste mercado. 

Com presença em mais de 150 mercados e um negócio de família que remonta a 1870, a Torres acaba de integrar o portefólio da Sogrape Distribuição e reforçar a sua oferta de vinhos espanhóis em Portugal, juntando-se, assim, às marcas próprias do Grupo já representadas no mercado nacional – Bodegas LAN e Santiago de Ruiz.

75137801_10156312812635518_6404101589035909120_o.pnghttps://www.facebook.com/familiatorresoficial/photos/a.229577915517/10156312812610518/?type=3&theater

Deixando à Vinalda, antigo distribuidor de Torres, uma palavra de agradecimento pelo profissionalismo e dedicação à marca ao longo dos últimos anos, é com muito entusiasmo que a produtora espanhola de referência e a Sogrape anunciam esta nova parceria. A partir do final de novembro, a Sogrape Distribuição passa a ser a representante oficial de Torres em Portugal, e a incluir no seu portefólio várias referências de renome, como Celeste, Salmos e Mas la Plana, mas também marcas clássicas como Vina Sol, Vina Esmeralda, Sangre de Toro, Coronas e Altos Ibéricos.

 

José Maria Da Fonseca Reduz Pegada Ecológica

“MENOS PEGADA, MAIS FUTURO”

 

A Sociedade Ponto Verde declarou que a José Maria da Fonseca, no âmbito “Menos Pegada, Mais Futuro”, através da adesão ao Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Embalagens, evitou a emissão para a atmosfera de 224,00 tCO2e durante o ano de 2018, valor que equivale a 2032,52 mil kms percorridos de automóvel”. Este valor foi calculado com base na quantidade anual de embalagens colocadas no mercado pela José Maria da Fonseca e no desempenho geral do sistema de gestão de resíduos gerido pela Sociedade Ponto Verde.

José-Maria-da-Fonseca-1.jpg

Esta declaração enaltece o benefício ambiental da produtora de vinho na redução da pegada de carbono durante o ano de 2018, nomeadamente nas embalagens que colocou no mercado.

A José Maria da Fonseca tem vindo ao longo dos anos a demonstrar uma crescente preocupação face aos fatores ambientais. Esta preocupação traduz-se na utilização de melhores práticas no tratamento da vinha, numa melhor gestão dos recursos naturais, sua preservação e conservação, antes ainda do aparecimento das normas ambientais ISO14001, de que a José Maria da Fonseca foi a primeira certificada no sector.

Desde 1996, a José Maria da Fonseca é certificada na Norma de Qualidade ISO9001 e a partir de 2004 passa a seguir o referencial ISO14001. Também na área da Segurança Alimentar, a José Maria da Fonseca alcançou o estatuto BRC em 2003, tendo em 2012 obtido a Certificação BRC, issue 7 (atualmente o mais avançado standard internacional na área da Segurança Alimentar).

Ainda na vertente ambiental a José Maria da Fonseca mantém práticas sustentáveis inovadoras como a redução de consumos de água, com objetivos e metas anuais, incluindo o tratamento e reutilização de todas as suas águas residuais, para rega dos seus espaços verdes. A empresa não faz por isso descargas da sua Estação de Tratamentos (ETAR) no meio hídrico desde 2007.

 

 

Rosarinho Cruz desenha medalha solidária para apoiar a missão da Bagos d’Ouro

 

"Tudo começou com um sonho” pode ler-se na medalha que a designer de joias criou para homenagear o trabalho desenvolvido pela Associação que se dedica ao acompanhamento escolar de crianças e jovens carenciados da região do Douro.

Medalha Rosarinho Cruz (1).jpeg

 Já dizia o poeta que o sonho comanda a vida. A Bagos d’Ouro dedica-se há 10 anos aos sonhos das crianças e jovens em situação de carência económica da região do Douro, acompanhando o seu percurso escolar até à integração na vida ativa. Uma missão que é homenageada por Rosarinho Cruz, designer de joias, numa medalha solidária cujos lucros das vendas revertem na íntegra para a associação.

Aliando a sua paixão pela criação de joias e pela pintura a aguarela, Rosarinho Cruz desenhou uma medalha com um cacho de uvas, símbolo da região e da produção de vinho, que serviu de mote à criação da Associação. “A Bagos d’Ouro nasceu da vontade unida de produtores de vinho e outras entidades do Douro em combater o abandono escolar e os desequilíbrios socioeconómicos da região. 10 anos depois, foram mais de 150 as crianças e jovens apoiados pela Associação, ao longo do seu percurso escolar, social e familiar”, explica Maria Inês Taveira, coordenadora da instituição.

A inscrição “Tudo começou com um sonho” remete para a concretização de uma vontade comum, que se estende também à parceria. “Há muito tempo que acompanho o trabalho da Associação e o impacto que têm na vida destas crianças e jovens e sinto-me muito gratificada por poder dar este meu simbólico contributo através da minha arte. Todos nós temos sonhos e é importante que tenhamos todos acesso às oportunidades que nos permitem alcançá-los”, afirma Rosarinho Cruz. 

A medalha está disponível para compra via email (info@rosarinhocruz.com). A peça tem o custo de 60 € (sem fio) ou 75 € (com fio).   

Criada em 2010, a Bagos d’Ouro atua em 6 concelhos do Douro – Alijó, Armamar, Murça, Sabrosa, São João da Pesqueira e Tabuaço, apoiando mais de 150 crianças e jovens e respetivas famílias, num total de cerca de 300 pessoas. 

 

 

Quinta do Lago promove jantares especiais para acolher o novo ano

 

A Quinta do Lago preparou 3 jantares especiais com música ao vivo em 3 dos seus melhores restaurantes para o ajudar a receber o novo ano da melhor forma. À meia-noite o fogo de artifício no lago espera-o, para festejar.

O resort da Quinta do Lago apresenta as melhores experiências gastronómicas para comemorar em grande o Réveillon e acolher o novo ano de braços abertos... e em festa!

A Quinta do Lago é um resort internacionalmente reconhecido pelos seus campos de golfe premiados com mais de quarenta anos de património que previligia de uma incomparável localização de apenas 20 minutos de distância do Aeroporto de Faro e pelo estilo de vida de luxo que oferece. Para acolher 2020 da melhor maneira, o resort preparou 3 jantares especiais com música ao vivo em 3 dos seus melhores restaurantes. À meia noite a festa continua junto ao lago, com fogo de artifício.

Bovino Steakhouse – as melhores carnes numa localização premium

Detentor do prémio de Melhor Restaurante-Bar no Drinks Diary Bar Awards 2018, o Bovino Steakhouse combina a decoração e a oferta gastronómica na perfeição e oferece as melhores carnes do Algarve.

Bovino Steakhouse (2).jpg

Com o mote “Step into 2020 with Music and Bubbles”, este restaurante oferece um menu completo com sopa de tomate e manjericão com crocante de parmesão para amuse bouche, três opções de entradas – vieiras, carpaccio e camarão carabineiro –, e quatro opções de prato principal entre bife do lombo USDA, lombo de borrego com crosta de ervas, risotto de lagosta e açafrão e uma opção vegetariana. As sobremesas são servidas em buffet e não faltarão opções. O valor é de 160€ por pessoa sem bebidas incluídas, e para as crianças dos 4 aos 12 anos existe um desconto de 50% e um menu especial dedicado com pratos como lombo de salmão, peito de frango e esparguete à napolitana.

Casa Velha – a junção da tradição e da criatividade

A Casa Velha foi o primeiro local de restauração da Quinta do Lago e onde nasceu a visão do resort. Oferece um equilíbrio harmonioso entre a criatividade e a tradição, com uma experiência gastronómica sublime. Se procura uma passagem de ano repleta de requinte, este é o local ideal.

Casa Velha 2.jpg

No que diz respeito ao amuse bouche e a entradas, as opções recaem em carabineiro, lima kaffir e caviar. Já os pratos principais são lagostim com manga, mouse de estragão e citronela, pregado de ravioli de funcho, alho francês e molho de açafrão, ovo bio com creme de crepes, pastinaca, molho de bacon e cebola doce, e lombo de rubia gallega, rabo de boi, aipo e molho trufa. Para sobremesa, pode contar com sorbet de citrinos, frutas exóticas e espumante, ou moelleux de chocolate, avelã e gelado de fava tonka. Este menu de excelência é de 170€ por pessoa sem bebidas incluídas.

Dano’s – um misto de descontração e excelência

O Dano’s é o mais recente bar/restaurante da Quinta do Lago e o primeiro pub gastro desportivo do resort. É um espaço repleto de luz com móveis sumptuosos, ornamentos desportivos vintage e detalhes portugueses – perfeito para uma passagem de ano descontraída e em excelente companhia.

Dano's.png

O jantar começa com uma welcome drink e canapés: mini rolo de salmão com pickle de pepino, mini espetadas de presunto e melão, e camarão tempura com molho de manga e lima. Nas entradas poderá contar com um duo de corvina e lagosta com fregula tostada, cenoura, courguete, cebola roxa, pimento amarelo, crocante de batata doce e velouté de peixe aromatizado com pernot e menta. Um sorbet lima com gengibre e pêra prepara-o para acolher o prato principal: lombo de novilho, batata duchess com parmesão, juliana de legumes e aveludado de cogumelos frescos. A sobremesa é uma deliciosa tarte de abóbora doce, com merengue italiano, molho de chocolate e flores comestíveis – mas não termina por aí. Já em 2020, existirá caldo verde e prato de queijos para que continue a noite com energia!

O jantar no Dano’s tem um valor de 125€ por pessoa sem bebidas incluídas, com 50% de desconto para crianças entre os 4 e os 12 anos.

Além destas ofertas, a Quinta do Lago tem ainda um outro pack disponível, que engloba jantar no Bovino e 2 noites de estadia no The Magnolia Hotel, tudo por 230€ por pessoa – sem bebidas incluídas no jantar. O The Magnolia Hotel irá automaticamente transportá-lo para um icónico espaço da década de 1950 com sabor a Palm Springs e será, certamente, uma passagem de ano inesquecível.

 

Rei dos Leitões eleito o ‘Melhor Restaurante da Europa 2019’

Pelo Conselho Europeu de Confrarias Enogastronómicas (CEUCO)

IMG_1233.jpg

O Rei dos Leitões, localizado na famosa recta da Mealhada, na Bairrada, foi eleito o ‘Melhor Restaurante da Europa 2019’ (Best European Restaurant) pelo Conselho Europeu de Confrarias Enogastronómicas (CEUCO). Composta por nove países, entre os quais Portugal, é uma organização europeia sem fins lucrativos, que tem como objectivo promover os produtos agroalimentares e a gastronomia dos países da União Europeia. A distinção aconteceu no passado dia 09 de Novembro, durante o 17.º Congresso Europeu das Confrarias Vínicas e Gastronómicas, que se realizou em Albufeira, o mesmo local que acolheu esta iniciativa há nove anos.

O Congresso deste ano centrou-se nos ‘Sabores do Mar Português’ – e na importância que têm na gastronomia tradicional europeia – e nos ‘Vinhos da Europa’. Além do ‘Leitão assado à Bairrada’, prato típico da região confeccionado como manda a tradição, o Rei dos Leitões apresenta uma enorme diversidade de propostas de mariscos e de peixe da nossa costa, entre outras iguarias. Também na doçaria é “rei”! Com a tónica na qualidade do produto e do serviço, o Rei dos Leitões foi, por esse motivo, premiado pelo CEUCO. A excelência da garrafeira, composta por uma enorme diversidade de referências vínicas produzidas em Portugal e nas regiões vitivinícolas mais emblemáticas do mundo, foi outro dos aspectos tido em conta neste prémio de ‘Melhor Restaurante da Europa 2019’.

_MG_8759.jpg_RIO8929.jpg_MG_8924 - Adega do Rei.jpg

“É para nós um orgulho incomensurável e uma alegria infinita conseguir este galardão para a Mealhada”, declaram Licínia Ferreira e Paulo Rodrigues, proprietária e gestor do Rei dos Leitões, a respeito deste reconhecimento internacional que vem enaltecer, deste modo, o rigoroso e requintado trabalho que o restaurante tem vindo a fazer pela gastronomia portuguesa.

IMG_1334.jpg

Um galardão que se junta ao ‘Prémio David Lopes Ramos’ – entregue ao Rei dos Leitões, em Fevereiro deste ano, por ocasião dos ‘Prémios Grandes Escolhas’ – e ao triplo ‘Garfo de Ouro’, conquistado no Guia Boa Cama Boa Mesa do Expresso.

 

 

Novo Espaço Museológico da Quinta das Cerejeiras

A época natalícia está à porta. Este ano a família Sanguinhal antecipa as festividades com um entusiasmo ainda maior: A reabertura oficial do novo Espaço Museológico da Quinta das Cerejeiras, no Bombarral.

Museu-Quinta-das-Cerejeiras-Sanguinhal.jpgO espaço vai ter as suas portas abertas durante o mês de Dezembrode terça a sábado, entre as 10h-13h e 14h-18h. Uma oportunidade única de, por um lado, ficar a conhecer mais de perto o armazém de tonéis em carvalho português, a coleção de alfaias agrícolas, as rolhadoras centenárias ou a sala de lagar e prensa de vara e fuso do século XIX e, por outro, inspirar-se nos jardins da Casa-Museu, autoria do arquiteto Norte Junior e onde morou o fundador da Companhia Agrícola do Sanguinhal, Abel Pereira da Fonseca, ou, enquanto folheia a coleção de rótulos antigos, escolher os seus vinhos de eleição para a quadra natalícia que se aproxima, todos eles disponíveis para venda na loja centenária no mesmo espaço.

A Capela Madre Deus, do século XVI, da Casa-Museu, também pode ser visitada durante o último mês do ano. No dia 27 de Dezembro, às 20h, realiza-se um concerto intimista com os músicos canadianos Tim Baker e Nico Paulo, que vão tocar a solo para abrilhantar a ocasião. Este espaço, que na primeira metade do Sec XX foi a Igreja Paroquial do Concelho do Bombarral desde que a Igreja Matriz ardeu e até à construção do novo templo em 1952, tem o altar mor decorado com azulejos originais do Séc. XVII. Imperdível.

Uma iniciativa que celebra o Natal com a excelência dos Vinhos de Lisboa. Momentos recheados de mestria na produção vitivinícola aliados ao património cultural e riqueza histórica da Quinta das Cerejeiras, Quinta do Sanguinhal e Quinta de S. Francisco.
Ótimo Natal com Vinhos Sanguinhal!

Informação e reservas: 262 609 190 / enoturismo@sanguinhal.pt / www.sanguinhal.pt 

Compra de Bilhetes TicketLine:

Concerto de Natal

https://ticketline.sapo.pt/evento/quinta-das-cerejeiras-concerto-de-natal-46979

Museu do Vinho de Lisboa - Quinta das Cerejeiras

https://ticketline.sapo.pt/evento/quinta-das-cerejeiras-museu-do-vinho-de-lis-46981

Preços por pessoa:

Visita ao Museu: 5€ com prova de vinhos cortesia

Concerto de Natal na Capela Madre Deus: 20€ (lugares limitados a 80 pessoas)

Gratuito para crianças até aos 12 anos.

 

Vinhos da Península de Setúbal a bordo da TAP Air Portugal

 

Os Vinhos da Península de Setúbal reforçam a sua presença a bordo dos voos da TAP Air Portugal em várias rotas e continentes. No âmbito do projeto TAP Wine Experience, foi desenvolvida uma parceria entre a Comissão Vitivinícola Regional da Península de Setúbal, a TAP Air Portugal e quatro empresas da Região. Durante o último trimestre de 2019 e o início de 2020, a TAP Air Portugal apresenta aos seus passageiros uma oferta alargada de vinhos da Península de Setúbal. A bordo estarão disponíveis para prova os vinhos da Adega de Palmela, Casa Ermelinda Freitas, Quinta da Bacalhôa e Quinta Brejinho da Costa.

image007.jpg

Para quem costuma viajar em classe Económica nas rotas de Angola, EUA e Brasil, poderá acompanhar as suas refeições a bordo com os vinhos da Casa Ermelinda Freitas: O Dona Ermelinda Tinto e o Dona Ermelinda Branco.

Se estiver a planear a sua próxima viagem ao Rio de Janeiro ou a São Paulo em classe Executiva, terá disponíveis três propostas da Quinta Brejinho da Costa: Quinta Brejinho da Costa Selection Rosé, Quinta Brejinho da Costa Selection Branco e Quinta Brejinho da Costa Reserva Tinto.

A Quinta da Bacalhôa apresentará na classe Executiva das rotas de Angola, Brasil e Portugal, para a Madeira e os Açores, o seu Quinta da Bacalhôa Tinto e, na classe Económica da Bélgica, Holanda e Portugal para a Madeira e os Açores, os vinhos Serras de Azeitão Tinto e Serras de Azeitão Branco.

Se voar pelas rotas da Finlândia e Suécia, poderá provar os vinhos selecionados pela Adega de Palmela que se encontram divididos entre a classe Económica e a classe Executiva: Villa Palma Reserva Tinto, Villa Palma Reserva Branco, Chafariz Dona Maria Tinto e Villa Palma Branco.

Nos próximos quatro meses, a Comissão Vitivinícola Regional da Península de Setúbal e a TAP Air Portugal vão dar a conhecer os vinhos da região de Setúbal a 4 milhões de passageiros.Com os Vinhos da Península de Setúbal, as refeições nos voos da TAP Air Portugal ganham outro sabor!